Sobre a Ceia do Senhor

Sobre a Ceia do Senhor: Jesus inaugurou a ceia, e Paulo ampliou seu conceito em I Co 11. Coríntios era uma igreja cheia de dons e manifestações carismáticas, mas falta a ela disciplina e aquilo que nos faz diferentes -o fruto do Espírito. Entre os dons e os frutos, escolha os frutos. Porque dom é sinal que Deus esta usando você, mas fruto é sinal que Deus esta mudando você.  Relação dos dons – I Co 12:28; Rm 12:6,7,8.  Relação do fruto – Gl 5:22. a) Como vemos na ceia de Coríntios – verso 18 diz: há divisões entre vós.  A ceia em Coríntios realçava as diferenças: (de cultura, financeira, de classes sociais, de casta étnica) – ela fazia grupos (panelinhas);  Cada um se afinava com um grupinho (dos comilões, dos fofoqueiros, dos avarentos, dos maliciosos, dos beberrões). E reforçavam sua maldade.  Se reuniam para fazer o mal ( verso 17 – não para melhor e sim para pior). Paulo ensina que a ceia de Cristo é: lugar para as diferenças ficarem de lado. Na mesa do Senhor todos são iguais. Somos gente. Somos povo. Somos nada. E se podemos algo, podemos por ele. “posso todas as coisas naquele que me fortalece.” Fl 4:13. b) Na ceia de Corinto havia um reforço ao egoísmo (verso 21 - cada um toma antecipadamente a sua própria ceia).  Cada um cuidava da sua vida, da sua comida, da sua bebida, dos seus interesses e dos seus horários. Paulo ensina que a ceia de Cristo é: lugar de reforço da unidade (da comunhão, do grupo, do pensamento coletivo). Lugar para praticar o outrocentrismo. c) Na ceia de Corinto - Acentuava ainda mais o ego humano (egocentrismo); Paulo ensina que a ceia de Cristo é: lugar onde Cristo se torna o centro (cristocentrismo). Rm 8:38 “Porque estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as cousas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.” Rm 11;36 – “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as cousas. A ele, a glória eternamente. Amém.”